quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Amnistia Internacional


Organização Internacional dedicada aos direitos humanos consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos..

A visão da Amnistia Internacional Portugal é a de um mundo em que cada pessoa desfrute de todos os Direitos Humanos consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos e noutros padrões internacionais de Direitos Humanos, e em que Portugal seja um modelo na sua promoção e defesa.








segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

10 de Dezembro de 1948


A Declaração Universal dos Direitos Humanos foi proclamada neste dia, no ano de 1948, estando traduzida para mais de 330 línguas diferentes.
Desenvolve os teus conhecimentos sobre este importante documento em www.unhchr.ch/udhr/lang/por.htm

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Dia da Restauração


Hoje, dia 1 de Dezenbro, comemora-se o "Dia da Restauração da Independência" em homenagem aos acontecimentos do dia 1 de Dezembro de 1640 e que puseram fim a 60 anos de União Ibérica.
O período da União Ibérica (Portugal e Espanha unidos pela mesma coroa) trouxe grandes prejuízos a Portugal, pelo que surgiram motins em várias cidades do país contra o domínio filipino (FilipeI, FilipeII e FilipeIII).
Perante os encargos a que o governo de Espanha obrigava o país, generalizou-se o descontentamento popular e não só. Um grupo de nobres organizou, em Lisboa, uma conspiração para restaurar a independência. Nascia o dia 1 de Dezembro de 1640, quando os conspiradores invadiram o palácio da governadora espanhola -a duquesa de Mântua - e proclamaram a restauração da monarquia e independência de Portugal.
Reuniram-se, então, Cortes em Lisboa, onde o duque de Bragança foi aclamaddo rei de Portugal, com o título de D. João IV, dando origem à última dinastia portuguesa -Dinastia de Bragança.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

O Palácio Nacional de Sintra, situado no centro histórico da vila, numa
gravura do século XVI, feita por Duarte de Armas (imagem da esquerda)
e segundo uma representação fotográfica actual.

Consegue identificar diferenças entre a primeira e a segunda imagem? O que mudou na paisagem em quinhentos anos?

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2009 / 2010

ACTIVIDADES A DESENVOLVER:


Outubro de 2009
• Visita “À Descoberta do Centro de Recursos”
(5º, 6º e 7º Anos no decurso de uma aula de 45m de Área de Projecto, Estudo Acompanhado ou Formação Cívica)


26 e 27 de Abril de 2010
• “Comemorações do 25 de Abril”
- Exposição de panfletos alusivos ao 25 de Abril
- Sessão fotográfica junto ao figurino de um soldado do MFA
- Visionamento de documentário sobre o 25 de Abril(6º e 9º Anos – HGP e História)



10 a 14 de Maio de 2010
• Exposição dos trabalhos de pesquisa de Estudo do Meio, HGP, História e Geografia
(1º ciclo – 4º Ano, 2º e 3º Ciclos – HGP, História e Geografia)



3 a 7 de Maio de 2010
• Concurso “Ritual Pedagógico de Localização”
(2º e 3º Ciclos – Geografia)






quinta-feira, 22 de outubro de 2009

ANO LECTIVO 2009 / 2010

Bem vindos ao blogue de Ciências Sociais e Humanas!

Desejamos a todos os alunos um ano escolar com muito sucesso, no qual sonhos e expectativas se realizem.

Este blogue pretende ser um "sítio" onde encontras informação variada no âmbito das disciplinas que fazem parte deste Departamento; divulgação de materiais e trabalho realizados pelos alunos, textos de pesquisa, links sobre temáticas variadas, datas comemorativas, mas principalmente um fórum de partilha de ideias.

Disciplinas do Departamento Ciências Sociais e Humanas:
  • História e Geografia de Portugal - 2º Ciclo
  • História - 3ºCiclo
  • Geografia - 3ºCiclo

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Sugestões para o período de férias

Começa agora mais um período de férias. Deixamos aqui algumas sugestõrs de roteiros e passeios em locais de grande interesse histórico e que não deixam de ser muito bonitos e representarem a possibilidade de viver uma aventura.



Castelo de Almorol. Para mais informações clique Aqui

Roteiros Culturais

A Divisão do Património Histórico-Cultural da Câmara Municipal de Sintra, é um serviço aberto a grupos, compostos no mínimo por 10 participantes, das mais diversas proveniências cujo objectivo é divulgar o Património Histórico-Cultural do Concelho de Sintra.
Este Núcleo realiza passeios subordinados às mais diversas temáticas, sendo de realçar os Roteiros Queirosiano, Medieval, Romântico, Centro Histórico de Sintra, Hans Christian Andersen, Igrejas Rurais de Sintra, Centro Histórico de Colares, entre outros, que possam ser efectuados a partir de solicitações que nos sejam formuladas.

Deverá ser efectuada uma consulta prévia para os Roteiros Culturais, a fim de verificar se existe disponibilidade, na agenda de marcações, para a data pretendida.

Os roteiros apenas são efectuados mediante marcação, o pedido oficial deverá ser efectuado por fax ou mail para o Departamento de Cultura e Turismo.
Contactos:Departamento de Cultura e TurismoDivisão de Património Histórico-Cultural
Rua do Roseiral, nº 20 – São Pedro de Penaferrim2710-501 SINTRA
Fax: 21 9236150 Mail: dct@cm-sintra.pt ou dphc@cm-sintra.pt
Núcleo de Divulgação Histórica e Literária / Roteiros CulturaisMarcação de RoteirosTel: 21 923 61 20 / 21 923 61


Palácio Nacional de Sintra
Tel. 21 910 68 40pnsintra@imc-ip.pt http://www.imc-ip.pt/
9.30h - 17.30h
Admissão de visitantes até às 17.00hEncerra à 4ª. feira
€ 5,00
Palácio Nacional da Pena
Tel. 21 910 53 40geral.pnp@parquesdesintra.pthttp://www.parquesdesintra.pt/
Abril - Setembro: 9.45h - 19.00h*Bilhetes à venda até às 18.15hAdmissão de visitantes até às 18.30h
Outubro - Março: 10.00h - 18.00h**Bilhetes à venda até às 17.00h
* € 11,00
** € 8,00
Visitas guiadas: + € 5.00Marcação prévia: 21 923 73 00
Palácio Nacional de Queluz
Tel. 21 434 38 60pnqueluz@imc-ip.pthttp://www.imc-ip.pt/
09.00h - 17.00hAdmissão de visitantes até às 16.30hEncerra à 3ª. feira
€ 5,00
Palácio de Monserrate Tel. 21 923 73 00info@parquesdesintra.pt http://www.parquesdesintra.pt/
Informações: Tel. 21 923 73 00
Parque de MonserrateParque da PenaCastelo dos MourosConvento dos Capuchos
Tel. 21 923 73 00info@parquesdesintra.pt www.parquesdesintra.pt
Abril - Set: 09.30h - 20.00h* Bilhetes à venda até às 19.00h
Outubro - Março: 10.00h - 18.00h*Bilhetes à venda até às 17.00h
€ 5,00
Visitas guiadas: € 10,00 Com marcação prévia
Palácio e Quinta da Regaleira
Tel. 21 910 66 50regaleira@mail.telepac.pthttp://www.cultursintra.pt/
Fev - Mar e Out: 10.00h - 18.30hAdmissão de visitantes até às 18.00h
Abril - Set: 10.00h - 20.00hAdmissão de visitantes até às 19.00h
Nov - Jan: 10.00h - 17.30hAdmissão de visitantes até às 17.00h
€ 6,00
Visitas guiadas: € 10,00Com marcação prévia
Sintra Museu de Arte Moderna
Tel. 21 924 81 70museu@sintramodernart.comwww.berardocollection.com
10.00h - 18.00hAdmissão de visitantes até às 17.30hEncerra à 2ª. feira
€ 3,00
Museu do Brinquedo
Tel. 21 924 21 71 m.brinquedo@museu-do-brinquedo.ptwww.museu-do-brinquedo.pt
10.00h - 18.00hAdmissão de visitantes até às 17.30hEncerra à 2ª. feira
Adultos € 4,00
Museu Arqueológico de Odrinhas
Tel. 21 961 35 74geral.masmo@gmail.comwww.cm-sintra.pt
10.00h - 13.00h; 14.00h - 18.00h Admissão de visitantes até às 12.30h e 17.30h Encerra ao domingo e à 2ª. feira
€ 2,50
Museu Ferreira de Castro
Tel. 21 923 88 28museu.fcastro@cm-sintra.pt
10.00h - 18.00hSáb - Dom - Fer: 14.00h - 18.00hA admissão de visitantes cessa 1 h antes do fechoEncerra à 2ª feira
Gratuito
Museu Anjos Teixeira
Tel. 21 923 88 27museu.ateixeira@cm-sintra.pt
10.00h - 18.00hSáb - Dom - Fer: 14.00h - 18.00hA admissão de visitantes cessa 1 h antes do fechoEncerra à 2ª feira
Gratuito
Casa-Museu Leal da Câmara
Tel. 21 916 43 03 museu.lcamara@cm-sintra.pt www.cm-sintra.pt
10.00h - 18.00hSáb - Dom - Fer: 14.00h - 18.00hA admissão de visitantes cessa 1 h antes do fechoEncerra à 2ª feira
Gratuito
Centro Ciência Viva de Sintra
Tel. 21 924 77 30 info@cienciavivasintra.pthttp://www.cienciavivasintra.pt/
10.00h - 18.00hSáb - Dom - Fer: 11.00h - 19.00hEncerra à 2ª. feira
€ 3,50
Mini Museu «A Vida Feita em Barro» (em Santa Susana)Tel. 21 961 12 53 Tm. 96 963 00 13 minimuseu@sapo.pt
Visitas com marcação prévia
Gratuito

Os Professores do Departamento de Ciências Sociais e Humanas deseja a toda a comunidade umas óptimas férias e que elas sejam um momento de "carregar baterias" para o próximo ano lectivo.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Portugal Pioneiro

Talvez os nossos leitores não saibam, mas Portugal foi o primeiro país do mundo a abolir a pena de morte. Este acontecimento ocorreu no dia 1 de Julho de 1867, como nos relata o seguinte artigo:
" As Câmaras aprovaram, por 90 votos contra 2, a abolição da pena de morte, proposta pelo ministro da Justiça, Augusto César Barjona de Freitas. Esta medida não é ainda extensiva às províncias ultramarinas. No continente, em 1852, o artigo 16 do Acto Adicional à Carta Constitucional já tinha abolido a pena de morte para crimes políticos.
A medida agora decretada, de alto sentido humanitário, honra o país, por ter sido pioneiro em proibir a pena capital."

Fomos pelo facto congratulados, por muitos intelectuais e homens da cultura de então, nomeadamente Victor Hugo. Segue-se um excerto da sua carta de felicitações:
« Está pois, a pena de morte abolida nesse nobre Portugal, pequeno povo que tem uma grande história! (...) Abolir a morte legal deixando à morte divina todo o seu mistério é um progresso augusto entre todos. (...) Felicito a vossa nação. Portugal dá exemplo à Europa. Desfruta de antemão essa imensa glória. A Europa imitará Portugal.»

Vitor Hugo


Para mais informação clica AQUI.

terça-feira, 26 de maio de 2009

O 28 de Maio de 1926

Passam este ano 83 anos, sobre o golpe de Estado que pôs fim à Iª República e deu início em Portugal, a uma Ditadura que vigorou até 1974.

O movimento que se iniciou em Braga e foi liderado pelo general Gomes da Costa, pretendeu responder a um mal-estar colectivo, de um país que estava em crise e um regime em agonia:

"A República não teve, nem tempo nem engenho, para reconverter o país profundo.
Apoiou-se na pequena burguesia urbana e em elites intelectuais, mas não atingiu nem o país rural e católico nem grandes franjas das massas operárias.
A instabilidade política, os jogos partidários, o clima de revolução permanente, os conflitos no parlamento, as greves constantes, a paralisia da administração, que não permitia a melhoria de vida das populações, afastaram o país real do sistema. O que se passa em Lisboa pouco interessava à província, que não se envolvia em malabarismos políticos mas exigia progresso e ordem. A Igreja e o Exército eram ainda as únicas instituições que representavam a disciplina e os valores tradicionais.
No plano económico, a situação era precária. Só em 8 anos (1917-1925) houve 200 greves. O custo de vida atingiu os 200%. a guerra criou novas fortunas. O mundo dos negócios e da finança necessitava de regras claras e de estabilidade. A moeda desvalorizou-se, não havia investimento na indústria. Portugal não passava de um satélite da economia inglesa.
O país asfixiava. queria ordem na rua e na administração. O descontentamente atingiu todos os sectores."
José Hermano Saraiva

Para mais informação clica AQUI

terça-feira, 19 de maio de 2009

Uma Portuguesa no Trono de Inglaterra

Foi no dia 21 de Maio de 1662 que a Infanta Portuguesa, D. Catarina de Bragança, filha do Rei D. João IV e de D. Luísa de Gusmão, casou com o rei inglês, Carlos II.
Foram morosas e difíceis as negociações que conduziram a esta aliança e o dote da princesa foi magnífico: a cidade de Tânger, no Norte de África, Bombaim com a sua fortaleza, na Índia, a liberdade de comércio para os navios ingleses em todos os portos do Brasil e dois milhões de cruzados.
Esta princesa introduziu novos hábitos na sua nova corte, sendo o mais conhecido, o chá das cinco ou "Five o'clock tea".
Segue-se o relato feito por ocasião do casamento:

"Londres, 21 de Maio de 1662
As aclamações e os festejos em honra da nova rainha são deslumbrantes. O casamento realizou-se em Portsmouth e dele foi lavrado o seguinte assento:
«Na presença de grande parte da nobreza dos domínios de Sua Majestade de Portugal em Maio de 1662 foram casados em Portsmouth (Igreja Domus Dei) pelo Bispo Lord de Londres, Golbert, a Ilustríssima Princesa D. Catarina, Infanta de Portugal, com o Augusto soberano Lord Carlos Ii Rei da Grã-Bertanha, França e Irlanda, Defensor da Fé»
Os reis vão morar no palácio de Whitehall.
As festas em Lisboa, por ocasião do embarque, não foram menos deslumbrantes. Ficaram memoráveis o cortejo de grande gala que acompanhou a infanta e as touradas que se realizaram no Terreiro do Paço.
Houve três dias de corridas de touros e ergueram-se dez arcos triunfais que se armaram com colchas, sedas, telas e outros ornatos de preço. O arco dos prateiros, à entrada da sua rua, era coberto de prata. Os outros tinham pinturas e ornatos de ouro e prata, todos muito ricos"

in Diário da História de Portugal, Selecções do Reader's Digest


Para mais informação aconselhamos a leitura do livro "Catarina de Bragança" de Isabel Stilwell ou então clique Aqui

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Machado de Castro

video

Esta apresentação foi o trabalho realizado por algumas alunas do 8ºF e que esteve patente na exposição do Departamento de CSH.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Exposição do Departamento de CSH

Esteve patente, no átrio da escola, entre os dias 4 e 8 de Maio a exposição dos trabalhos elaborados pelos alunos, no âmbito das disciplinas de HGP, História e Geografia.

Felicitamos os alunos pelo empenho e criatividade apresentados e que deram origem a trabalhos de grande nível.
Aproveitamos para agradecer a preciosa colaboração das colegas de EVT, Vanda Costa e Elsa Rosa.











quarta-feira, 6 de maio de 2009

Dia da Europa

No próximo dia 9 de Maio comemora-se o "Dia da Europa".

Portugal aderiu à União Europeia a 1 de Janeiro 1986. Nessa data, esta comunidade passou a contar com 12 Estados Membros. Hoje em dia, já são 27 os países que fazem parte da União Europeia.

O Departamento de Ciências Sociais e Humanas associa-se a esta comemoração, para descobrires mais informações clica Aqui.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

1º de Maio


Foi à 35 anos que pela 1ª vez se comemorou o ferido do 1º de Maio: "O dia do Trabalhador". segue-se um artigo de um jornal da época, que tenta descrever os acontecimento desse dia:

Lisboa, 1 de Maio de 1974
" O povo saiu à rua para comemorar o Dia do Trabalhador e a Revolução. Foi uma manifestação grndiosa, que uniu pessoas de todas as condições, de Norte a Sul do País.
Em Lisboa, o entusiasmo atingiu o delírio no Estádio da FNAT, que passa a chamar-se Estádio 1º de Maio.
Foram particularmente significativos os discursos do Dr. Mário Soares, que proclamou a aliança dos partidos dos trabalhadores (Socialista e Comunista), e do Dr. Álvaro Cunhal, que evitou definir estratégias partidárias, mas acentuou a necessidade da organização partidária do povo trabalhador e a importância de uma aliança entre os trabalhadores e o Movimento das Forças Armadas.
A tónica «Povo-MFA» é, desde agora, uma das ideias centrais da realidade política.
Enquanto os oradores discursavam, movimentavam-se pequenos grupos entre a multidão e entoavam o slogan: « O povo unida jamais será vencido.»
Estas palavras, depressa aprendidas, foram a seguir vozeadas por um coro imenso e unânime.
O sentido histórico da data de hoje parece ser o de que o autor e herói da Revolução é o povo unido."
Para mais informações cique AQUI

quarta-feira, 22 de abril de 2009

25 de Abril de 1974





A Democratização de Portugal


A Revolução do 25 de Abril derrubou o Estado Novo e fez renascer em Portugal uma República plena de ideias novas e democráticas que o General Spínola (Junta de Salvação Nacional) leu à população ainda os cravos estavam viçosos.
Enquanto não foi redigida a nova Constituição (1976), iniciou-se o processo de rumo à democratização do país com extinção da PIDE/DGS (Policia Política) e da censura, a marcação das eleições legislativas e a discussão sobre o fim da guerra colonial.
Portugal reconheceu a independência das colónias e negociou a sua descolonização (1975).
Realizaram-se as primeiras eleições livres para a Assembleia Constituinte, em 25 de Abril de 1975, na qual participaram mais de 90% dos cidadãos.
A estas eleições concorreram vários partidos políticos. Os deputados eleitos trabalharam na elaboração da Constituição que foi aprovada pela maioria da Assembleia, sendo publicada a 2 de Abril de 1976.

Esta Constituição de cariz democrático deu a todos os portugueses DIREITOS, LIBERDADES e GARANTIAS individuais e de cidadania.
Já no ano 2000, Portugal foi visto como uma República Democrática pertencente a União Europeia, rumo ao FUTURO.


SÍMBOLOS E IMAGENS
Marcam o dia da Revolução e figuram na galeria da nossa memória colectiva. A Revolução dos Cravos, Grândola, Vila Morena, Salgueiro Maia, "O Povo Unido Jamais Será Vencido"... são algumas dessas memórias. Aqui podes encontrá-las. http://www.scribd.com/doc/13893014/SIMBOLOS-formacao

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Abrilada


O mês de Abril é para nós portugueses símbolo de revoltas em relação ao poder instituído. Exemplo disto temos a Revolução do 25 de Abril de 1974, da qual falaremos na próxima semana, mas também a tentativa levada a cabo pelo Infante D. Miguel a 30 de Abril de 1824, de acabar com o regime Liberal instituído através da Revolução Liberal de 1820.

Assim neste dia, ao romper da manhã, altas personalidades da corte e do governo (Marquês de Palmela, os Condes de Vila Flor e de Paraty assim como outros fidalgos e militares) foram presas. O Conde de Subserra(ministro da guerra) recebeu ameaças de morte, só não tendo morrido, por ter sido salvo pelo embaixador francês, Hyde Neuville. Era claro o propósito de eliminar os mais fiéis e mais próximos colaboradores do rei.
Durante 9 dias perseguiram-se todos aqueles que demonstravam simpatia pelas ideias moderadas/Liberais.
D. Miguel chegou a ordenar o bombardeamento(dezasseis tiros de canhão, disparados do forte de São Julião da Barra) de uma fragata inglesa, onde se encontrava refugiado o ministro da guerra, o Conde de Subserra.
O rei protegido pelo corpo diplomático, refugiou-se a bordo, de uma outra, fragata inglesa, de onde, no dia 9 de Maio, demitiu o infante D. Miguel do cargo de comandante-em-chefe dos exércitos, exigiu a sua rendição e a libertação dos inúmeros prisioneiros políticos, encarcerados desde 30 de Abril.
O golpe falhou. As tropas foram fiéis ao Rei. D. Miguel foi coagido a abandonar o país. O pretexto é viajar pelas cortes da Europa, mas na realidade é um exílio forçado.

Para mais informações clique AQUI

sexta-feira, 20 de março de 2009

Lembrar o Holocausto

Passam este ano 64 anos sobre o fim da IIª Guerra Mundial.
Uma guerra que para além das vítimas militares, fez inúmeras vítimas civis: as vítimas do Holocausto, que tantos querem negar.
Este documento serve de homenagem a todas as vítimas.

video

quarta-feira, 18 de março de 2009

Passatempos sobre a Civilização Romana

Se queres aprender de uma maneira fácil e divertida, ou se simplesmente queres brincar um bocadinho, aconselhamos estes passatempos. Vais fazer uma viagem virtual à civilização romana tudo em 3D. Deste modo aprendes sobre a civilização romana e treinas o teu inglês.

Para ver clica AQUI.

segunda-feira, 9 de março de 2009

11 de Março de 1975

Esta semana passam 34 anos sobre o golpe militar do 11 de Março de 1975. Trata-se de um acontecimento bastante controverso da nossa história e que tem dividido muitas opiniões.
Para muitos estudiosos e mesmo para muitos políticos, tratou-se de um movimento, que se não tivesse encontrado oposição, ou se tivesse sido bem sucedido, poderia ter posto em causa os valores conquistados no 25 de Abril de 1974 e ter feito com que Portugal voltasse a cair numa ditadura.
As opiniões dividem-se entre os que o consideram um golpe dos Spinolistas ou um movimento provocado pela esquerda com o objectivo de liquidar a reacção.

Juntamos a seguir alguns artigos referentes a este acontecimento:

O QUE DISSE A IMPRENSA

LA STAMPA
Roma, 12 de Março de 1975

"Grave fractura nas Forças Armadas Portuguesas
Lisboa: horas dramáticas
Falhou «golpe» de Spínola"

LA VANGUARDIA
Madrid, 13 de Março

"No fim de contas, nos militares portugueses passa-se o mesmo que nos civis: não pensam todos da mesma coisa e não desejam o mesmo. No fundo, a situação é de um país que ainda não disse o que pensa, nem o que deseja em termos numéricos, como os que revela uma eleição"

LE FIGARO
Paris, 12 de Março de 1975

"Um herói caído na armadilha,
A revolução entra num período de confusão"

HOY DE BADAJOZ
«Ninguém pretende uma ditadura em Portugal» Mário Soares

Badajoz, 13 de Março de 1975
"«Ninguém em Portugal pretende uma ditadura. Não é possível ao exército implantar uma ditadura porque o povo não o quer», declarou Mário Soares, ministro português dos Negócios Estrangeiros e dirigente do Partido Socialista.
«Depois do 25 de Abril de 1974 e do derrubamento do regime de Caetano - acrescenta -, o exército podia ter-se constituído em ditadura. Mas tal não aconteceu. O exército não o quis e, antes pelo contrário, o exército criou o programa do Movimento das Forças Armadas juntamente com os principais partidos da oposição."

sábado, 28 de fevereiro de 2009

HOMENAGEM A UM PATRIOTA


No próximo dia 26 de Abril, o Papa Bento XVI vai canonizar, em Roma o Beato Nuno de Santa Maria, mais conhecido como D. Nuno Álvares Pereira (Condestável de Reino). Este Homem através do apoio incondicional a D. João I e do se génio (Táctica do quadrado), permitiu que Portugal se mantivesse independente e escreveu uma das mais honrosas páginas da nossa história: a Vitória na Batalha de Aljubarrota.

O Departamento de Ciências Sociais e Humanas, através deste modesto artigo, rende a este grande vulto da história a sua homenagem.

Seguem dois artigos sobre alguns dos seus muitos feitos:


PÂNICO NO ALENTEJO, NUNO ÁLVARES CAPITÃO


Lisboa 1834

" Chegaram ao Alentejo notícias dos muito danos que as tropas castelhanas vêm fazendo nas terras fronteiriças de Entre Tejo e Guadiana. Cortam vinhas e olivais, estragam as searas, espalham o medo por toda a parte. Os povos pedem ajuda.

Contra o conselho do Doutor João das Regras, que propunha um capitão mais experiente das coisas da guerra, o Mestre escolheu Nuno Álvares Pereira, um jovem fidalgo filho de D. Álvaro Gonçalves Pereira, Prior do Hospital, e neto do grande arcebispo de Braga D. Gonçalo Pereira. Nuno Álvares Pereira desde o início da crise pôs-se denodadamente ao lado do Mestre, e foi o único membro da alta nobreza que tomou tal atitude"



OS CASTELHANOS ATACAM NO SUL


Fronteira, 6 de Abril de 1834


"Fortes contigentes de cavalaria castelhana penetraram no Alentejo e devastaram as regiões fronteiriças. Nuno Álvares foi ao seu encontro com a sua pequena hoste de camponeses mal armados e, no sítio dos Atoleiros, perto da vila de Fronteira, deu batalha aos esquadrões invasores e desbaratou-os. Esta vitória deve-se à táctica usada pelo capitão português, que dispôs os seus homens em quadrado no terreno e aguardou que o adversário o atacasse. A cavalaria senhorial não conseguiu levar a melhor sobre a infantaria popular.

Este Nuno Álvares «foi o primeiro que da memória dos homens até este tempo fez batalha pé terra em Portugal e venceu», isto é, foi o primeiro a opor a força popular da infantaria às tropas senhorias que lutam a cavalo."


In Diário da História de Portugal, das Selecções do Reader's Digest


Para mais informações sobre D. Nuno Álvares Pereira clique AQUI.

Receitas de Botica

Se está cansado de remédios, e acha que os químicos não estão a ajudar, eis algumas receitas que datam do século XIII:

Para Dores de Dentes:

- Sumo de pepino no ouvido ou leite de cadela.

Para a Diarreia:

- Pés de Perdizes torrados e esmagados com vinho.

Para a Inflamação da Vista:

-Semente de funcho, erva arruda e vinho branco.

Para o Reumatismo:

- Papas de Linhaça galega em pano de lã sobre aquela parte que doer.

Se resulta não sei, mas pelo menos está muito "in", pois são só produtos naturais!!!!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

O Carnaval- origem e curiosidades

Pesquisa e trabalho realizado por: Rafael Alves, Rui Pedro, Diogo Melo e Tiago Pereira, 7º D


Os gregos e os romanos comemoravam as suas colheitas (saturnais a 17 de Dezembro e lupercais a 15 de Fevereiro), através das quais deram origem às festas do carnaval.


O Carnaval Pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dionísio na Grécia, no século VII a.C. e, termina, quando a Igreja Católica adopta a festa em 590 d.C.
O Carnaval Cristão passa a existir quando a Igreja Católica oficializa a festa, em 590 d.C. Antes, a instituição condenava a festa pelo seu carácter “pecaminoso”. No entanto, as autoridades eclesiásticas da época viram-se num "beco sem saída" e já não era possível proibir o Carnaval. Foi então que houve a imposição de cerimónias oficiais sérias para conter a libertinagem. Mas esse tipo de festa contrariava as características do Carnaval: o riso, a brincadeira...
Só em 1545, no Concílio de Trento, que o Carnaval é reconhecido como uma manifestação popular de rua. Em 1582, o Papa Gregório XIII transforma o Calendário Juliano em Gregoriano e estabelece as datas do Carnaval.
O cálculo é um pouco complexo. Determina-se o equinócio da primavera, que ocorre entra os dias 21 e 22 de Março no hemisfério norte. O domingo de Carnaval é sempre no 7º domingo que antecede ao domingo de Páscoa.
Ao longo dos tempos o Carnaval foi marcado por acontecimentos pitorescos, por exemplo:
- Em Palermo, na Itália, o costume de atirar ovos e fruta podre a quem passava na rua foram proibidos no final do século XVI. Mas as mulheres continuaram a poder atirar água da janela aos transeuntes, mas tinha que ser limpa...
- Na Alemanha, em Wutemberg, a segunda-feira de carnaval era sagrada para as mulheres, que ficavam donas da cidade durante todo o dia, enquanto os homens ficavam em casa, impedidos sequer de as observar a partir da janela. As mulheres tomavam conta do edifício da Câmara Municipal, onde o burgomestre e os conselheiros - os únicos homens admitidos - eram obrigados a servir-lhes salsichas e cervejas.
- O Carnaval brasileiro surge em 1723, com a chegada de portugueses das Ilhas da Madeira, Açores e Cabo Verde. A principal diversão dos foliões era jogar água nos outros. O primeiro registro de baile é de 1840.












sábado, 14 de fevereiro de 2009

APRENDER A JOGAR

Queres estudar de maneira divertida?

Se és aluno do 5º e 6º ano e tens de estudar para a disciplina de HGP, podes agora aprender de forma divertida.
Basta clicar AQUI e tens acesso a um conjunto de passatempos, sobre os conteúdos que os teus professores estão a dar nas aulas.
DIVERTE-TE.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

PROIBIDO DEIXAR CAIR CASAS

INCRÍVEL, como passados 645 anos da notícia que se segue, o problema se mantem tão actual em algumas das nossas grandes cidades.
O mais chocante é que nos tornámos, com o passar do tempo, mais desleixados e menos cumpridores da lei.
Será que este problema se prende com o facto de existirem cada vez menos Homens-Bons?


Santarém, Fevereiro 1364

" O estado de conservação das boas casas de Santarém tem preocupado grandemente os homens-bons do concelho.
De facto, têm visto o seu património degradar-se sem que os donos respectivos se preocupem com o estado em que se encontram as suas casas. Por isso queixaram-se ao rei D. Pedro, que assim determinou:
«As casas que as ordens, e abades, e igrejas e priores delas e cavaleiros e outras pessoas têm nessa vila, nas quais eles e os seus costumam pousar, não foram conservadas, encontram-se agora em tão mau estado que os seus donos se vão a pousar em casa de outras pessoas, sem curarem de pôr as suas em bom estado. Por isso mando que os senhores delas as refaçam a partir do primeiro de Março e com o prazo de um ano para as obras.
E se o não fizerem que sejam vendidos tantos dos seus bens quanto for necessário para pagar essas obras, que o meu vassalo Domingues Anes, morador e vizinho dessa vila, fará cumprir"

in Diário da História de Portugal, Selecções do Reader's Digest

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Humberto Delgado


Faz esta semana 44 anos que foi encontrado perto de Badajoz o corpo daquele que ficou para a História como o "General Sem Medo".

Crime Político

Badajoz, 13 de Fevereiro de 1965

" Foram encontrados dois cadáveres, no campo de Villanueva del Fresno, a 3 Km da fronteira portuguesa. Segundo investigações já efectuadas, trata-se dos corpos do general Humbert Delgado e da sua secretária, a brasileira Arajir Campos.
Não estão esclarecidas as circunstâncias do crime. A censura é extremamente rigorosa a este respeito. É certo que alguém matou o General Sem-Medo, em torno de cujo o nome militava uma parte da oposição ao actual regime político português.
Atribui-se o crime à PIDE, mas não falta quem queira encontrar outras explicações."

in Diário da história de Portugal, Selecções do Reader's Digest


Humberto Delgado personifica a oposição ao regime ditatorial de Salazar, que vigorou no nosso país entre 1933 e 1974.
A sua candidatura a Presidente da República em Maio de 1958, contando com o apoio da oposição, fez tremer o Salazarismo e entusiasmou a população.
Devido à manipulação dos resultados eleitorais, acabou por vencer o candidato do governo, o Contra-Almitante Américo Tomás.
Humberto Delgado, perseguido pelo governo, refugiou-se no Brasil.
Acabou por ser vítima de uma armadilha política, que o leva à fronteira espanhola, onde será assassinado, conjuntamente com a sua secretária.


Para mais informações cilque AQUI

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Visita de Estudo - Aljubarrota

No próximo dia 25 de Março 2009, as turmas do 8º E/F irão visitar o Campo Militar de São Jorge, onde ocorreu a Batalha de Aljubarrota, seguindo para o Mosteiro da Batalha (monumento erigido devido à vitória portuguesa nesta batalha).

A visita insere-se no âmbito da disciplina de História e está a ser promovida pela professora Teresa Ferreira do Amaral.
O Campo militar de S. Jorge

" O campo de S. Jorge testemunha o local onde se travou, a 14 de Agosto de 1385, uma das raras grandes batalhas campais da Idade Média entre dois exércitos régios e um dos acontecimentos mais decisivos da história de Portugal. À escala medieval, considera-se um acontecimento da maior importância política, diplomática e militar. No campo militar significou a inovação de uma tática, onde os homens de armas apeados foram capazes de vencer a poderosa cavalaria medieval; No campo diplomático, permitiu a aliança entre Portugal e Inglaterra, que perdura até aos dias de hoje; No aspecto político, resolveu a disputa que dividia o Reino de Portugal do Reino de Castela e Leão, permitindo a afirmação de Portugal como Reino independente. Tornou possível também que se iniciasse uma das épocas mais grandiosas da história de Portugal, a época dos descobrimentos.
A 14 de Agosto de 1385, no planalto onde hoje se situa a aldeia de S. Jorge, concelho de Porto de Mós, distrito de Leiria, confrontaram-se dois pretendentes ao trono de Portugal: D. João I de Castela e Leão, e o D. João I, Mestre de Avis, que fora aclamado Rei de Portugal, quatro meses antes, nas Cortes de Coimbra. O exército castelhano era numérica e militarmente superior ao português. D. Nuno Álvares Pereira, com o seu pequeno grupo de cavaleiros e peões, implementou um sistema táctico antes e durante o confronto que levou Portugal à vitória."

Para mais informações clique AQUI.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

REGICÍDIO


Faz esta semana 101 anos sobre este acontecimento que mudou o rumo da nossa história. Pois foi o golpe mortal, na já muito doente Monarquia, e abriu o caminho para a implantação da República em Outubro de 1910.
Segue-se um artigo de um jornal da época em que é relatado o acontecimento:

O REI D. CARLOS E O PRÍNCIPE REAL ABATIDOS A TIRO NO TERREIRO DO PAÇO

" Lisboa, 1 de Feveiro de 1908

Eram 5 e 30 da tarde. Quando a carruagem que transportava o rei, a rainha e os príncipes, regressados de Vila Viçosa, voltava do Terreiro do Paço para a rua do Arsenal, soaram tiros. Um popular aproximou-se da carruagem descoberta e desfechou uma carabina sobre o rei. A rainha, o príncipe real D. Luís Filipe e o infante D. Manuel levantaram-se para proteger D. Carlos mas dois novos tiros disparados por outro indivíduo atingiram mortalmente D. Luís Filipe. D. Manuel ficou ferido num braço. A rainha procurou afastar os agressores, o cocheiro fustigou os cavalos e entrou, com a carruagem crivada de balas, no pátio do Arsenal.
Os regicidas Manuel da Silva Buíça e Alfredo Luís Costa, foram imediatamente abatidos. Um oficial de ourives, José Sabino Costa, que ia colocar uma carta no correio, foi tido também como regicida e morto por engano.
Os vários tiros disparados no local feriram alguns populares, que tiveram de ser socorridos.
À noite, os cadáveres do rei e do princípe foram levados, sob escolta, para o Palácio das Necessidades, onde foram recebidos pelo médico de serviço, D. Tomás de Melo Breyner".
in Vários, Diário da História de Portugal, Selecções do Reader´s Digest
Para mais informação clique AQUI.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

RITUAL DE LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA



No início de cada aula de Geografia, os alunos, cumprem um ritual de localização, dos diferentes países do mundo.







Esse ritual começa com a “visita” a um país através de um artefacto, de um filme, de uma imagem, de uma música ou de uma notícia desse país.





De seguida o professor faz uma breve contextualização do assunto tratado.
Por último os alunos registam no seu “guião de viagem” o assunto abordado, os países que fazem fronteira com o país escolhido e a região a que ele pertence.


Guião (clique para visualizar)







Todos os alunos possuem no seu “guião de viagem” uma actividade de auto-avaliação, com a qual podem, sempre que desejarem, avaliar os progressos em relação às suas competências de localização.



Será que os alun
os, no final do ano, conseguirão imitar o Mickey?



Ver Vídeo:

video

Deixe o seu comentário a este Ritual.